quarta-feira, 31 de agosto de 2005

Cavalgar, Cavalgar, Cavalgar. II

Soares é o verdadeiro animal político!
Fez um bom discurso. Ontem Alegre já tinha feito um.

É tempo de vascular pelas memórias, ir buscar os Sonetos do Antero, lembrar as lições de Tese e Antítese e ler (neste caso também escrever):

AD AMICOS (Propter solatium)

Renasço, amigos, vivo! Há pouco ainda
Disse ao viver: "Afunda-te no nada!"
E já, bem vedes, surjo à luz dourada,
- No lábio o rir, no peito esp'rança infinda!

Ah, flor da vida!flor viçosa e linda!
Envolto na mortalha regelada
Do só pensar - perdão! - foste olvidada...
Flor do sentir e crer e amar... bem vinda!

A vida! como a sinto, ardente, imensa!
Não única! tomando a imensidade!
Livre! perante Deus surgindo forte!

Que amor! que luz! que pira vasta, intensa!
Plenitude! harmonia! realidade!
Mas melhor que tudo isto é sempre a morte!

Raios de Extinta Luz, Antero de Quental

terça-feira, 30 de agosto de 2005

Cavalgar, Cavalgar, Cavalgar.

Porque ainda existem pessoas com valores e dignidade, vale a pena escrever, vale a pena falar e pensar sempre.
Avançar com uma candidatura contra o partido socialista, ao qual pertence com paixão, é claro que não será fácil.
Não concordar com a candidatura de Soares é perfeitamente legítimo.
Dividir a esquerda socialista entre Soares e Alegre poderá ser uma vantagem para Cavaco, mas não deixa de ser saudável para a esquerda, pelo menos para aquela esquerda que quer discutir questões e se preocupa com Portugal.

O que não percebo é o post do Luís Osório...

Amanhã é a vez de Soares.

"Há outro Portugal, não este. E sinto que tinha de passar por aqui para o encontrar. Não sei se passado, não sei se futuro. Não sei se fim ou se princípio. Sei que sou desse país: um país que já foi, um país que ainda não é."
Jornada de África, Manuel Alegre

Ser Dador – Parte IV

Conselhos para quem vai dar sangue...
Ao contrário de quando se vai tirar sangue para análises, em que convém ir em jejum, no caso de ir doar sangue não se deve ir sem comer... a última vez que tenha tomado antibióticos, anti-inflamatórios, aspirinas, deve ser pelo menos uma semana... não precisa de ficar a descansar o resto do dia, mas também não convém fazer muitos esforços... deve beber muitos líquidos ao longo do dia, para ajudar o organismo a repor o sangue tirado...
O nosso corpo por norma não reage mal à doação de sangue, mas na primeira vez que vai doar sangue, é aconselhável não ir sozinho...

Bem agora que já sabe como é... de que é que está à espera?...
Hoje sou eu a dar, amanhã és tu, depois o outro, e assim criamos uma rede continua de stock. 2 manhãs por ano... não custa nada...
Seja solidário!!! Amanhã pode ser que sejas tu a precisar!!!

segunda-feira, 29 de agosto de 2005

O pais que nao se governa

Aqui está um artigo que saiu ontem no El Pais.
A ler!

A tempestade

Lá vai ela....

domingo, 28 de agosto de 2005

Ser Dador – Parte III

Existem vários locais onde uma pessoa pode doar o seu sangue. Eu escolhi o IPO-Porto por razões pessoais, que não vale a pena especificar. Os processos são idênticos... temos que assinar um termo de confiança em como não temos nenhum comportamento de risco (não são só os supostos grupos de risco que têm comportamentos de risco), saber se fomos a qualquer país exótico, ... em suma saber se temos um risco acrescido de ter contraído doenças infecto-contagiosas (sida, hepatite, malária, ...)... depois é recolhido algum sangue para fazer algumas análises (níveis de hemoglobina, substâncias externas, como medicamentos, ...)... a seguir é a vez de falar-mos com médico, que nos pesa, nos mede a tensão, nos faz um pequeno questionário, afim de saber se não corremos nenhum risco de saúde ao fazer a doação... se “passarmos” neste rasteio, passamos à acção e é recolhido 400cc de sangue...

sexta-feira, 26 de agosto de 2005

Ser Dador – Parte II

Vantagens em ser dador de sangue...
Além da mais óbvia, que é ajudar a salvar alguém que pode estar em risco de vida... da satisfação pessoal em se fazer o que é correcto... Temos também o facto de que em princípio, sempre que precisarmos de sangue, estamos no topo da lista. Não temos que pagar taxas moderadoras nos hospitais e nos centros de saúde, podemos visitar os nossos familiares e amigos no hospital, mesmo fora do horário de visitas, apesar de as vezes as pessoas que estão nos “postos de controlo” desconhecerem esta parte da lei... Para além do facto de nos fazerem algumas análises e se for detectado algum problema podemos ser encaminhados para o local adequado, ou seja, temos um mini-controlo de saúde regular, há uma renovação parcial do nosso sangue, o que nos ajuda a evitar aqueles pequenos percalços que por vezes temos, como gripes...

quinta-feira, 25 de agosto de 2005

Onde vivem os portugueses?

Já é do conhecimento geral que as maiores densidades populacionais são nas cidades, junto ao litoral. Claro que isso acarreta toda uma série de factores. São meios com um maior dinamismo e desenvolvimento, a taxa de analfabetismo é inferior, as pessoas tem acesso mais facilitado à informação, às tecnologias e fundamentalmente à cultura. No entanto, também é onde se regista os casos de pobreza extrema, maiores taxas de toxicodependência e de desemprego.

Mas o Instituto Nacional de Estatística fez um estudo, com números bastante reveladores. Nas 141 cidades portuguesas, que ocupam unicamente 2% do nosso território, vive cerca de 40% da população, em que temos 2 187 habitantes por km2. E cerca de metade da população citadina concentra-se unicamente em 14 cidades, sendo as com maior taxa de habitantes: Lisboa, Porto, Gaia, Amadora, Braga, Almada, Coimbra e Funchal.

O parque habitacional das cidades é mais envelhecido, em Lisboa e Porto a percentagem de edifícios construídos antes de 1945 é 6 vezes superior do que os construídos após 1991.

Ser Dador – Parte I

A minha aventura como dador começou ainda não tinha eu idade para essas coisas. Não sei de onde me veio essa vontade... Depois durante a idade em que os interesses são mais pessoais do que colectivos essa vontade ficou latente... esquecida... Mas em 1998, tinha eu ainda uns frescos 22 anitos, lá vou ao IPO-Porto oferecer-me como dadora de sangue. Qual não foi o meu espanto quando soube que tinha de ter pelo menos 50 kg... como estávamos no inverno, lá consegui ludibriar a balança com as botas e o blusão... e fiz a minha primeira dádiva... saindo de lá feliz e contente, como se tivesse salvado toda a humanidade... 6 meses depois volto lá, para mais uma contribuição, desta vez minto na idade... fazem a recolha... dá-me um treco... levo um raspanete da médica, parece que podia ter ficado com lesões permanentes no cérebro... Resultado, enquanto não conseguir engorda uns quilitos não posso fazer mais contribuições... e assim se acaba uma vontade... por 4 quilos a menos...

Mas dar sangue é a forma mais rápida, indolor e sem qualquer perda pessoal, de ajudar os outros!!!

Seja herói por um dia, algumas vezes por ano, ao longo da sua vida!!!

quarta-feira, 24 de agosto de 2005

resultados de um estudo realizado em 2002, por Manuel Villaverde Cabral, mas penso que a realidade de hoje não deve andar assim tão longe...
alguns dos números chegados, foram:
- em média um português demora cerca de 25 min na deslocação ao hospital mais próximo...
- 15 min até ao centro de saúde da área de residência...
- 10 min até à farmácia...
chegando ao centro de saúde, temos que:
- 51% dos portugueses não consegue ter a consulta nesse dia...
- 54% destes tem de esperar mais de 2 semanas pela consulta...
- para 48% dos casos o tempo de espera entre ser visto pelo médico de família e ter uma consulta no hospital é superior a um mês...

é caso, quase para dizer, só está doente quem pode...

Negros continuam os dias II



Perguntas comuns do vulgar jornalista português:
"Então? Como se sente agora que viu a sua casa arder com o fogo?"
"O fogo está quase a chegar não é?"

terça-feira, 23 de agosto de 2005

O estado das coisas

E o país lá vai ardendo...
Estamos quase lá. Chegamos aos 180 mil hectares, por isso não falta muito para a tão falada "meta" dos 220 mil!
Nota Importante: 1 hectare = 10.000 metros quadrados

No entanto, como não existe um efeito sem uma causa, é bem preciso o lembrar que se o país arde, arde porque:
:: as pessoas são negligentes, não limpam as suas terras (sim porque as terras devem ter dono...)
:: porque as autarquias são negligentes (as terras que não são privadas, devem ser públicas não??!)
:: porque os bombeiros são poucos, não têm material e não estão devidamente preparados
:: porque os nossos políticos - que convém não esquecer são sempre os mesmos - desdizem-se com um desplante fabuloso. É com pena que eu vejo o governo PS a afirmar agora que Portugal não precisa de comprar meios aéreos de combate a incêndios. Quando em 2003 o PS oposição bradava contra o governo de Durão Barroso exigindo a compra desses meios... Pois é, a França, a Itália e a Grécia, que têm meios próprios e um clima semelhante ao nosso, não são os campeões dos incêndios do Sul da Europa
:: há lucro a fazer com os incêndios
:: afinal esses "loucos" e "alarmistas" investigadores que dizem que o que vivemos são consequência das alterações climáticas que de uma forma criminosa estamos a impor ao planeta têm razão... que chatice!

Enquanto isso na Suiça, Alemanha, Áustria, Bulgaria e Roménia as chuvas vão caindo e inundando tudo, levando tudo.
Mas não há que desesperar porque no próximo ano, pelo andar da carruagem, trocamos com eles. Ficam eles com os incêndios e as tempestades passam para nós... as mortes partilhamos todos.

Para António Costa deixo uma bela frase de Vergílio Ferreira (com que me abrigo sempre aquando da tempestade):
"Afirma com energia o disparate que quiseres, e acabarás por encontrar quem acredite em ti."

segunda-feira, 22 de agosto de 2005

Revista de Cinema

Finalmente vou escrever sobre um dos meus mais queridos gostos: Cinema!

Em exibição nos EUA estão agora vários documentários interessantes e que estão a ser ter algum sucesso de público. Um deles é March of The Penguins, que nos conta a travessia do deserto da Antártica que os pinguins imperador têm de fazer todos os anos para chegarem ao seu tradicional local de reproduçãol. Com fabulosas imagens obtidas com a chancela da National Geographic aqui está uma bela viagem às terras do Sul.

O outro documentário é da autoria de Werner Herzog e chama-se Grizzly Man. Aqui acompanhamos a vida e morte de Timothy Treadwell, que ao longo de 13 verões, estudou e documentou a vida dos ursos do Parque Natural Katmai, no Alasca. Vemos como Treadwell perdeu a noção da fronteira que existe entre a natureza dos ursos e a sua própria natureza. Sabendo desde o início que Treadwell é morto em 2003 por um dos "seus" ursos, o filme tem um sabor mórbido e algum humor negro. É um documentário impressionante e que deve ser visto.

Não sei se estes filmes vão ser comprados pelas nossas distribuidoras, mas ambos valem a pena serem vistos no cinema...

quinta-feira, 18 de agosto de 2005

Quando da janela se ve a Terra toda...

O cosmonauta russo Sergei Krikalev está na ISS desde Abril. Dos seus cerca de 20 anos de carreira, Krikalev passou 2 deles no espaço. Este cosmonauta já viajou em capsulas Soyuz e no Space Shuttle, trabalhou na Mir e agora é a ISS a sua casa.
Em Outubro regressa ao planeta azul que todos os dias vigia da sua janela.
Se calhar irá regressar inquieto e com voltade de voltar rapidamente lá para cima...

And Now for Something Completely Different...

A ler na BBC News:

"The leaked documents contradict initial eyewitness reports suggesting Mr Menezes had hurdled a barrier at Stockwell Tube station and was wearing a padded jacket that could have concealed a bomb.
On the day of the shooting, Scotland Yard said that "his clothing and his behaviour at the station added to [the officers'] suspicions".
But the documents suggest Mr Menezes was wearing a denim jacket and walked into the station, picked up a free newspaper on the way and walked through ticket barriers.
It is suggested he only started to run when he saw a train arriving - and was sitting down on the train when he was shot.


A reler por aqui.

quarta-feira, 17 de agosto de 2005

As férias de Sócrates, o gsm, e o país que dessapareceu

Um dia destes o nosso primeiro arrisca-se a telefonar para o primeiro em exercício e receber como resposta a simpática voz de uma qualquer operadora que lhe diz: "O número para o qual ligou já não existe."...
A ideia não é minha, é do Francisco José Viegas, que todos os dias pode ser lido no Aviz.

Será que Sócrates se deixaria ficar por África, tornando-se num intrépido explorador qual Roberto Ivens, ou Brito Capelo, ou...

terça-feira, 16 de agosto de 2005

Como desocupar



Procura entre o teu povo
uma palavra
pura

Tu que página a página
só tens
a pedra dura

Procura junto
a Horeb
o lugar santo

Procura em cada folha
a sarça
e o canto

Babilónia, Manuel Alegre

Negros continuam os dias



A ver!
Qual a origem da tragédia?

sexta-feira, 12 de agosto de 2005

Franjinhas

Aqui está uma das minhas primeiras memórias. Franjinhas e os amigos!

Revistos e aumentados em formato animado, estão agora no grande ecrã.

quinta-feira, 11 de agosto de 2005

As bombas

Em 2005 comemora-se o Ano Internacional da Física e também o sexagésimo aniversário do final da II Guerra Mundial. O final da Guerra deu a conhecer ao mundo o poder da energia atómica sob a forma das bombas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki. Em passeio pela blogosfera deparei-me com a seguinte questão: Devem os cientistas que trabalharam no desenvolvimento das bombas ser considerados criminosos de guerra?

"E se a morte te esquecesse?", Al Berto

Sonhar com Confúcio

Certo preceptor adormeceu a dar uma lição ao seu educando.
Ao acordar, notou que o aluno não parava de o fitar. Assim, sentiu necessidade de se justificar:
- Rapaz, o meu sonho levou-me a visitar Confúcio!
No dia seguinte, o estudante já pouco se importava com as lições; vivo como era, não deixou de seguir o exemplo do mestre, e quando o peso da sabedoria do professor se fez sentir sobre as suas pálpebras, cerrou-as sem qualquer mal-estar.
O mestre, vendo o à-vontade com que o menino fazia a sua soneca, acordou-o com um abanão:
- Então, ó rapaz, o que vem a ser isto? A dormitar durante o estudo?
- Senhor, segui o seu exemplo, fui visitar Confúcio e ele informou-me que ontem não o tinha visto!

Retirado do livro “Contos da Terra do Dragão”, contos tradicionais e populares da China. Recolha, adaptação e tradução de Wang Suoying e Ana Cristina Alves.

quarta-feira, 10 de agosto de 2005

Negros são os dias

Quando o país arde há sempre uma corrida a explicações e tentativas de solução que acabam por nunca resultar, e passados alguns meses voltamos a cair na mesma conversa, ou seja, na mesma tragédia.
Confesso que não entendo porque é que as matas e florestas não são limpas, quer pelos particulares que são donos dos terrenos, quer pelas autarquias, confesso que não percebo bem qual é o treino que os bombeiros portugueses recebem nas suas corporações, também não sei como se combatem os incêndios, quais são as técnicas, e estratégias. Não entendo porque é que os países do Sul da Europa não conversam sobre estas coisas, porque afinal todos sofrem dos mesmos problemas...

terça-feira, 2 de agosto de 2005

O Verão tem destas coisas

. É sempre bonito ver a nossa classe política (os que não estão a banhos pelos Algarves) a falar de demisões e substituições de carácter político, afinal parece que nunca aconteceram antes... a hipocrisia deste pessoal é sempre um fenómeno... Antes de "sanear" a empresa dona desses tão preciosos capitais públicos, suponho que convém verificar se as equipas de administradores estão ou não a fazer um bom trabalho, também suponho que valeria a pena analisar o potencial das pessoas que vão ser nomeadas, mas isso deve ser muito complicado...

. Também é interessante voltar a ver Valentim Loureiro nas suas funções de 236 em 1 (o homem é administrador, presidente, major, cônsul, arguido, candidato... é mais um fenómeno). E não é que lhe dão tempo de antena!! Sempre que ele falasse, os jornalistas deviam desligar os telemóveis, microfones, câmaras, e falar uns com os outros (talk amongst yourselves), perguntar pela família, ou falar sobre o tempo! Era bem mais instrutivo! Não é censura, é simplesmente falta de pachorra.

. Os autarcas do Porto e arrabaldes (que são todos senhores sérios e nada populistas) querem então continuar a construir as linhas do Metro por todo o lado. E querem fazer esta proeza sem dinheiro, ou seja, querem investir mais dinheiros públicos e não querem esperar que a empresa do Metro comece a dar lucro para poder investir esse capital em mais obras. É mais uma boa ideia!!

. Enquanto isso, Sampaio toma o pequeno-almoço com Cavaco e lancha com Soares... será que by night foi preciso tomar uns sais de fruto?!

E lá vou eu me refugiar nas palavras do Vergílio Ferreira: "Toda a verdade e todo o erro, se repetidos mil vezes, tendem a converter-se no seu contrário. Apenas pela razão de nos fatigarem."

E mais um Verão passa sob a minha janela.